line decor
  
line decor

 


Objectivos Educativos

 
 
Caderno de Descobertas


Sistema de Especialidades 


Uniforme 


 
 

 
 

Expedição 24 – S. João Evangelista

apelo

II Secção:

  • os elementos são denominados Exploradores;
  • os Exploradores estão divididos em Patrulhas de 4 a 8 elementos;
  • denomina-se Expedição a Unidade formada pelas Patrulhas de Exploradores;
  • cada Expedição tem de 2 a 5 Patrulhas;
  • cada Patrulha designa-se pelo nome de um animal, o Totem, cuja silhueta figura na bandeirola da Patrulha e cujas cores do distintivo distinguem os seus membros;
  • o patrono da II Secção é São Tiago Maior;
  • a cor representativa desta secção é o Verde;

Patrono - São Tiago Maior

SãoTiago  Maior, era filho de Zebedeu e de Salomé, uma das mulheres que seguiam Jesus na sua pregação, que O acompanharam até à cruz e, na manhã da Ressurreição, acorreram para O ungir.

S. Tiago e seu irmão João, os Boanerges ou filhos do trovão, foram chamados por Jesus quando estavam com o seu pai Zebedeu, consertando as redes, nas margens do mar da Galileia. S. Tiago tinha um carácter muito resoluto e generoso. Quando o Senhor o chamou não duvidou e deixou tudo. Mas também era extremista: quando os samaritanos não quiseram receber Jesus, irritados, Tiago e João pretendiam que descesse fogo do céu e acabasse com eles. Outra vez deixaram-se levar pela ambição: apresentaram-se com a mãe Salomé para Lhe pedir os primeiros lugares, quando restaurasse o reino de David. Mas tudo isto não foi obstáculo para que Jesus desse aos dois irmãos, juntamente com Pedro, provas especiais de apreço: os três, sozinhos, foram testemunhas da Transfiguração de Jesus no Tabor, presenciaram a ressurreição da filha de Jairo e assistiram à agonia de Jesus no Getsémani. 
Duas missões principais cumpriram Tiago: primeiro levou o Evangelho até Espanha (às regiões Tarraconense, Bética e Lusitana); depois regressou a Jerusalém sendo o primeiro dos apóstolos a derramar o seu sangue por Cristo, pois Herodes Agripa, tendo recebido o reino do imperador Calígula e para se reconciliar com os judeus, mandou degolar Tiago, irmão de João.
Chamado por Cristo, S. Tiago, Apóstolo, viu concretizadas as promessas de Deus ao seu Povo, ao testemunhar o poder da Ressurreição de Cristo. A partir daí, fortalecido pelo Espírito Santo, S. Tiago assumiu a fé de forma destemida e aceitou testemunhá-la até às últimas consequências (Act 12,1-2). Sendo originário da Galileia, S. Tiago terá aceitado o desafio de partilhar com outros povos o tesouro da fé: segundo a tradição, teria vindo até à Península Ibérica, para evangelizar, tendo desenvolvido actividade sobretudo na Galiza e na zona hoje correspondente a Aragão. Assim, S. Tiago foi um autêntico explorador, na medida em que aceitou pôr-se a caminho, guiado pela «estrela» da fé que o animava e fortalecido pelo desejo insaciável de a dar a conhecer. Mesmo sem saber que dificuldades iria encontrar, S. Tiago partiu com o intuito de apontar, também aos outros, o caminho para a «Terra Prometida». O caminho para Deus. Contam as antigas tradições que o corpo de S. Tiago foi trasladado para a Galiza. Em 813, um ermitão viu brilhar uma estrela em Iria e o bispo Teodomiro descobriu as relíquias no que chamam o Campo da Estrela (Compostela). A partir de então, este Apóstolo protegerá  Espanha e pelo "caminho de Santiago" acorreram (e continuam a acorrer) peregrinos de toda a cristandade.

Mistica

A descoberta da Terra Prometida: o Explorador reconhece Deus na sua vida e aceita a Aliança que este lhe propõe, pondo-se a caminho tal como o Povo do Antigo Testamento. 

Depois da descoberta do Criador através da obra criada muito em especial da Humanidade, criada à imagem e semelhança de Deus, segue-se o acolhimento da relação de Deus com os Homens. Esta relação tem em Deus a sua origem, e materializa-se no firmamento de uma aliança. A Aliança que Deus propõe aos homens é, num certo sentido, desigual, na medida em que, não obstante a eventual infidelidade do Homem, Deus não deixa de ser fiel à sua Aliança. Deus oferece à Humanidade a possibilidade de viver em paz e felicidade, com uma descendência incontável, na Terra Prometida. Essa é a grande promessa do Antigo Testamento. Há um caminho a percorrer. Esse caminho tem obstáculos, pode ser mesmo muito difícil, pode parecer intransponível mas, com a ajuda de Deus, é possível chegar à Terra onde «mana, leite e mel» (Ex 3,8). 

Terra Prometida é uma imagem da vida em abundância prometida por Cristo (Jo 10,10). O Explorador tem como não podia deixar de ser Cristo Jesus como Modelo supremo e como Meta a alcançar. 

Para um Explorador, a Terra Prometida personifica a realização de tudo aquilo que o faz feliz. À medida que for crescendo, irá perceber que tudo de­pende da relação pessoal com Cristo, o Salvador de todo o género humano.
O Explorador reconhece Deus na sua vida e aceita a Aliança que este lhe propõe, pondo-se a caminho tal como o Povo do Antigo Testamento. Deus oferece a garantia da Sua protecção paternal e aponta-lhe o caminho da Terra Prometida. No caminho, está Jesus Cristo, a figura com que o Explorador mais se identifica. Dada a sua tendência para preferir os heróis que se batem por causas nobres, Jesus, além de muitas outras coisas, é um excelente exemplo a seguir. Pode ser, sobretudo, fonte de inspiração: o Explorador quer ser como Cristo e descobrir a Terra Prometida que Ele vem no mundo inaugurar. Jesus é, assim, aquele que indica a ‘Terra Prometida’, o exemplo máximo que o Explorador pode aspirar a seguir.
 

O Imaginário

Imaginário da segunda Secção é o Explorador, que parte à descoberta do desconhecido

A «descoberta do desconhecido» tem como grande objectivo proporcionar uma des­coberta de si próprio  e dos outros no «caminho a percorrer», que conduza à descoberta do amor de Deus.

A Simbologia

A simbologia ajuda-nos a perceber a identidade dos Exploradores. O imaginário da segunda secção gira todo à volta do Explorador, aquele que parte à descoberta do desconhecido.

Como símbolos, a secção terá a Flor-de-Lis, a Vara, o Chapéu, o Cantil e a Estrela.

A FLOR-DE-LIS – é o símbolo do escutismo de que o explorador é a imagem mais facilmente reconhecida (atépela tradução da palavra inglesa scout, por exemplo). Nas três folhas da flor-de-lis reconhecemos os três princípios do escutismo, e os três compromissos assumidos na fórmula da promessa escutista. A flor-de-lis é, também, símbolo de rumo, indicando o norte nas cartas topográficas e de marear. É portanto um auxiliar básico de alguém que pretende descobrir o mundo.

A VARA – é um símbolo facilmente associado ao imaginário do escuteiro dos primeiros anos da fundação e, por outro lado à simbologia de São Tiago, Maior, o peregrino. A Vara do escuteiro tem um conjunto alargado de utilidades, de onde se destaca o auxílio, à caminhada, à progressão da marcha, na navegação, no ultrapassar de obstáculos, em relação aos perigos e às adversidades. Simboliza assim asolidariedade e o progresso.

O CHAPÉU – é símbolo da protecção. Protecção do sol, em primeira análise, mas também do frio, da chuva, etc.É ainda associado à imagem que temos do próprio B.-P., que se preocupou em arranjar um chapéu para os escuteiros antes de mais nada. Também São Tiago é reconhecido pelo chapéu que caracteriza o traje do peregrino, especialmente no contexto dos caminhos de Santiago de Compostela.

O CANTIL – é ao mesmo tempo símbolo da responsabilidade – andar sem água não é inteligente, na sua vertente de depósito, mas é também símbolo de coerência, de estar preparado, como pedia B.P.. Está associado também à sede de conhecimento, à sede de descoberta e de acção, característica do explorador. A cabaça, associada à imagem de São Tiago Maior é, também, ou, acima de tudo, um cantil.

A ESTRELA – é símbolo da orientação. A Estrela Polar e o Cruzeiro do Sul são referências de orientação, especialmente de noite, quando é mais difícil seguir um rumo. Todos os grandes exploradores recorreram a elas para concretizar os seus sonhos. São pilares na imensidão do céu, sinal da grandeza de Deus, que nos transmitem a segurança da fé, e a certeza do sucesso. Foi uma estrela, que segundo a lenda permitiu encontrar o túmulo do Apóstolo São Tiago e é lá, no Campo da Estrela – Campus stella, Compostela que permanecem os seus restos mortais. A vieira, símbolo jacobeu, é, também, de certa forma, uma estrela. Além disso, do ponto de vista bíblico, a estrela evoca ainda a Aliança de Deus com Abraão, em que lhe promete uma descendência mais numerosa que as estrelas do céu, imagem do Povo que Deus escolheu para Si, do qual também nós somos parte.

 

Oração do Escuta

Senhor Jesus
Ensinai-me a ser generoso,
A servir-Vos como Vós o mereceis,
A dar-me sem medida,
A combater sem cuidar das feridas,
A trabalhar sem procurar descanso,
A gastar-me sem esperar outra recompensa,
Senão saber que faço a Vossa vontade santa,

Ámen

Lei

  1. A Honra do Escuta inspira confiança.
  2. O Escuta é Leal.
  3. O Escuta é útil e pratica diariamente uma boa acção.
  4. O Escuta é amigo de todos e irmão de todos os outros Escutas.
  5. O Escuta é delicado e respeitador.
  6. O Escuta protege as plantas e os animais.
  7. O Escuta é obediente.
  8. O Escuta tem sempre boa disposição de espírito.
  9. O Escuta é sóbrio, económico e respeitador do bem alheio.
  10. O Escuta é puro nos pensamentos, nas palavras e nas acções.

Principios

  1. O Escuta orgulha-se da sua Fé e por ela orienta toda a sua vida.
  2. O Escuta é filho de Portugal e bom cidadão.
  3. O dever do Escuta começa em casa.

Promessa

Prometo, pela minha honra e com a graça de Deus, fazer todo o possível por:
  • Cumprir os meus deveres para com Deus, a Igreja e a Pátria;
  • Auxiliar o meu semelhante em todas as circunstâncias;
  • Obedecer à Lei do Escuta;

Divisa

  • Alerta

A Cabana da Expedição 24

Cabana do 24

 
 

 

Patrulha Corvo
Ana Beatriz Fernandes – Guia
Afonso Dias -Sub Guia
Diana Cardoso
Catarina Lopes
Afonso Ribeiro
Renato Pereira
Iris Graça
Pedro Roboredo
Filipa Dinares

Patrulha Lince
João Pedro Dias– Guia Expedição
Carolina Oliveira -Sub Guia
Ana Catarina Alves
Manuel Garcia

Luana Rodrigues
Miguel Matias
Francisco Afonso
Gonçalo Almeida
Carla Delgado

Patrulha Lobo
Madalena Moura – Guia
Leonor Fidalgo -Sub Guia
Guilherme Claudino
João Cardoso

Joana Silva
Vasco Santana
Sebastião Dias
Carolina Dias
Diogo Almeida

Patrulha Maçarico
Vasco Fernandes– Guia
Manuel Francisco  -Sub Guia
Henrique Cernadas
Fabio Reis
Beatriz Rebelo
Ana Carolina
Inês Heleno
Tiago Almeida
Sara Ribeiro


Patrulha Touro
Raquel Fernandes– Guia
Leonor Pimentel -Sub Guia
Milena Borges
João Roboredo

Tiago Pereira
Ana Almeida
Francisco Moura
Bernardo Augusto
Deise Graça

 

Patrulha Castor
Francisco Fernandes " Kico" – CE
Duarte Moura – CD Adj
Marta Valente – CD
Sofia Moura – CD
Catarina Martins – CD
Leonor Santos – CD
Inês Monteiro
– CD

Comissão de Pais
Representantes da Expediçãp
- José Augusto Dias

Expedição